sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Per rimanere semplici e sinceri (Fabrizio Bucci)


Per rimanere semplici e sinceri basta non tradire se stessi
e affrontare la vita secondo i principi nei quali si crede.

È vero che il mondo dello spettacolo è complicato, soprattutto
è vario, il che lo rende ancora più precario e insondabile.

Credo di aver trovato la mia chiave d'accesso
semplicemente cercando di fare bene il mio lavoro
e rispettando quello degli altri.
Per essere meno generico cerco sempre di offrire il massimo, nello
spirito collaborativo di partecipare a un progetto condiviso da molti,
me compreso.

I propri valori e principi non si perdono di vista, anzi vengono
messi in gioco nell'impegno e nella qualità del lavoro che svolgi.
Una certa integrità aiuta ad andare avanti.

Certo non sempre incontri gli stessi gusti in termini di valori
e principi, perciò a volte i tuoi vanno protetti o non esposti.
Ma questo non li mette mai a rischio.
_____________________________________

Da fanpage Facebook de Fabrizio Bucci,
o “Bruno” do filme Don Bosco,
em 19/12/2013

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

C'è un cuore che batte nel cuore di Roma


Io esco di casa ed è già mattino 
e Villa Borghese è ancora un giardino 


C'è un fiume che passa nel cuore di Roma 
mi fermo sul ponte ed io ti amo ancora 


C'è rabbia al confine di questo quartiere 
se esci di casa la puoi respirare 


C'è un fiume di gente nel cuore di Roma 
che vive e che soffre ed io ti amo ancora 


Amore mi manchi amore che fai 
in questo deserto almeno ci sei 


C'È UN CUORE CHE BATTE NEL CUORE DI ROMA 
CHE VIVE E CHE PERDE ED IO TI AMO ANCORA 

Ed è primavera, l'oleandro e l'alloro 
l'inverno è passato sei ancora da solo 



C'È UN CUORE CHE BATTE NEL CUORE DI OGNUNO 
IO CREDO NEL MONDO, IO CREDO NEL CIELO
________________________________________

C'è un cuore che batte nel cuore di Roma
Antonello Venditi

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Brilhar diante de Cristo


Saciados com os vossos dons divinos,
nós vos pedimos,
ó Deus todo-poderoso,
que possamos realizar o nosso desejo
de brilhar diante de Cristo
que se aproxima
como lâmpadas acesas
pelo vosso Espírito.
Por Cristo, nosso Senhor.
Amém.
____________________________

Oração depois da Comunhão
17 de dezembro de 2013

O Céu é o limite!


domingo, 15 de dezembro de 2013

Amore Folle


Mi distogli dalla vita la mia, la nostra, quella di tutti
quella del sogno di un amore e di una casa.

Irrompi fin dentro al cuore fino a strapparci da noi stessi
sei forse una minaccia, una promessa, o una vana attesa

Chiedi l’anima e il corpo, chiedi tutto l’essere nostro
chiedi l’amore, chiedi l’amore che già ci impegna.

Quale amore vuoi? Quale amore vuoi?
Quale Amore più grande vuoi?
Squarci e dividi.
Squarcia e dividi.

Ma in totale abbandono io mi arrenderò!

Tu arrivi sempre impauri e sconcerti,
è il tuo modo di esser Dio
improvvisamente
senza regole né argini
è un amore folle.
_____________________________________

Amore Folle
(Canto al Re il mio poema nella Sinfonia del Sì)

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

La vertigine (L. Jovanotti)


La vertigine non è paura di cadere
ma voglia di volare!
(A vertigem não é medo de cair, mas desejo de voar)
__________________________________

Mi fido di te - Lorenzo Jovanotti

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

«Senhor, espero-Vos em paz e quietude»


Não sei, Senhor, a hora escolhida;
fico pois sempre atenta e a velar
como a vossa esposa preferida,
que vosso gosto é vir sem se notar,
de longe, Vos sentirá coração purificado.

Senhor, espero-Vos em paz e quietude
com grande saudade em meu coração,
com sede de invencível beatitude.
Do meu amor convosco, a mutação,
qual chama ao Céu, no fim da vida, elevada,
e, então, em todos meus desejos realizada.

Vinde depressa, meu Senhor dulcíssimo,
e transportai meu coração sedento
para junto de Vós, ao Céu altíssimo,
onde a vossa eterna Vida tem assento.

Que a vida na terra é contínua agonia,
E meu coração p’ras alturas foi criado,
Com os planos da vida, nada se importaria.
A pátria é o Céu, eis o que tenho bem firmado.
 __________________________________________________

Santa Faustina Kowalska (1905-1938), religiosa
Diário, § 1589 

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Obrigado, Papai Noel!


Porto Alegre/RS, 04 de dezembro de 2013.

Querido Papai Noel!

Mesmo sabendo que nesta época do ano o senhor está muito ocupado com milhares de pedidos, peço-lhe que leia esta carta de agradecimento... É que, pensando bem, acho que eu e toda a Comunidade Educativo-Pastoral do Colégio Salesiano Dom Bosco de Porto Alegre/RS lhe devemos alguns “muito obrigado”!
Muito obrigado pelo fato da sua visita tornar todos mais alegres: roupas novas são compradas; as casas são faxinadas e decoradas com motivos de cor e luz; os alimentos do dia-a-dia são acrescidos de produtos diferentes, até aonde o orçamento permite; famílias e amigos se encontram para momentos de confraternização (“o meu amigo secreto é...”), mesmo que precisem viajar muito; presentes são trocados e todo mundo ganha e dá o seu, nem que seja bem simplezinho; as lojas ficam mais bonitas...
Muito obrigado por fazer com que a solidariedade seja uma constante, nem que seja só por agora e geralmente acompanhada de lágrimas! Não há quem resista a ajudar outra pessoa nesta época, ainda mais quando há um fundo musical emocionante ou um filme natalino por perto: cestas básicas são distribuídas aos montes; roupas e calçados saem dos armários são encaminhadas pra doação; brinquedos recolhidos em campanhas fazem a festa das crianças pobres; as gorjetas ficam mais generosas!
Muito obrigado por nos alertar da sempre e necessária busca da paz! Cartões, mensagens telefônicas e virtuais, painéis e músicas pedem a paz para todo o mundo: para os conflitos armados internacionais; para as brigas entre as torcidas organizadas; para os bairros nobres e as vilas pobres; para os dominados por algum tipo de vício; para as famílias em crise; até mesmo para os pátios e todos os ambientes da nossa escola!
E o mais importante: muito obrigado por nos permitir lhe acompanhar na sua visita mais especial e para a qual não levas presentes, mas os recebes: sua visita ao Menino Jesus! Sabemos que todos os anos vens visitar aquele que um dia esteve em nosso meio e que agora vive no coração das pessoas, ensinando-as a serem solidárias, felizes e de paz... Inclusive o senhor! Aliás, não foi numa das festas de aniversário dele, num Natal e quando seu nome ainda era Nicolau, que o senhor começou suas atividades, ajudando uma moça pobre que ia se casar?!?
Ah! Muito obrigado, também, pelo fato da sua visita conseguir com que as pessoas escutem bem mais música, com temas natalinos; aprimorem o canto e aprendam outras línguas, para poder cantar Jingle Bells em inglês, Otanen baun em alemão, Adeste fideles em latim; freqüentem mais as Igrejas, até mesmo a "Missa do Galo" à meia-noite; desenvolvam-se na arte da interpretação, seja nas representações do nascimento de Jesus, seja tentando te imitar!
Obrigado por tudo! Seu trabalho pode ser cansativo, mas está ajudando a humanidade a ser melhor, como o próprio Jesus queria! Se ainda for possível, gostaríamos de te fazer um pedido: que o ano de 2014 seja cheio de vida digna pra todo mundo, especialmente para os mais pobres!

Um grande abraço de todos educandos e educadores de nosso Colégio!

                                                                                                        Pe. Gilson, SDB.

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

É das crianças o Reino dos Céus (Mt 19,14)


Foram-lhe apresentadas, então,
 algumas criancinhas
para que pusesse as mãos sobre elas
e orasse por elas.
Os discípulos, porém, as afastavam.
Disse-lhes Jesus:
Deixai vir a mim estas criancinhas
e não as impeçais,
porque o Reino dos céus
é para aqueles que se lhes assemelham.

(Evangelho de Mateus 19,13-14)

A cerveja, a comida e um corpo estendido no chão


Há poucos dias, um jovem foi assassinado a tiros na praça da Gentilândia (Fortaleza-CE). A repercussão na cidade não foi grande. Apenas mais um homicídio. O caso virou notícia de rodapé de jornal. Do tipo que tem todo santo dia. Também deve ter saído nos programas policiais que servem defuntos na hora do almoço.

O noticiário informa que foi mais um homicídio de um tipo que se tornou muito comum. Possivelmente, segundo a PM, o caso se relaciona com o tráfico de drogas. A área foi isolada pela PM. Coberto por um lençol, o corpo passou horas estendido no chão.

No dia seguinte, alguém colocou nas redes sociais uma foto retratando uma exdrúxula situação. Na imagem, mesas e cadeiras fora da área isolada. Gente comendo, bebendo, se divertindo. Há poucos metros, o corpo.

Notem que o defunto sob o lençol é apenas um componente a mais da paisagem. Ninguém parece incomodado com o intruso e sua poça de sangue. Desconfiei da imagem. Não acreditei que as pessoas fossem tão frias a ponto de continuar em suas mesas, tomando cerveja, comendo sanduíche e mirando a vítima.

Sim sei que a morte a vida estão banalizadas em Fortaleza e adjacências. Vez ou outra, vejo na TV as crianças se divertindo para as câmeras diante de mais um assassinato na vizinhança. Mas, adultos impassíveis, serenos, comendo e bebendo indiferentes diante do corpo que jazia é um quadro que eu não queria crer como real.

Desconfiado, pesquisei e encontrei outras fotos de outros ângulos. Ficou claro que não era montagem. Sim, já é possível comer um salgado, tomar uma cerveja e bater um papo diante de um corpo a espera da perícia e do rabecão. Chegamos a esse terrível e triste ponto.

O assassinato em questão se deu no início da noite de quinta-feira da semana passada. Na segunda-feira seguinte, o noticiário dizia que ocorreram 34 homicídios na Grande Fortaleza entre a noite de sexta-feira e a noite de domingo. É provável que cenas similares tenham se reproduzido outras vezes.

Nada pode ser mais preocupante que a indiferença diante da morte. É o principal sintoma de uma sociedade deteriorada. No vácuo da autoridade pública, que nem sequer lamenta a montanha de mortos, muitos naturalizam a violência. Outros passam a incentivar os linchamentos.

E assim caminhamos. Não sei exatamente para onde, mas não pode ser um bom futuro se a vida, bem maior da humanidade, não vale o preço se um salgadinho frio.

(Fonte: Fábio Campos, Jornal O Povo)