quinta-feira, 30 de abril de 2015

Luz interior


"Reconhecer a presença de Cristo no pobre"


Se é verdade que o pão e o vinho consagrados
são sinal de uma especialíssima presença
de Cristo morto e ressuscitado,
é verdade igualmente que o cristão deve, com igual fé,
reconhecer a presença de Cristo
no pobre, no oprimido, no fraco, no marginalizado;
em uma palavra, no irmão que precisa dele.
Não seria sentido a fé na Eucaristia,
e seria uma mentira sua celebração,
se ela não se prolongasse à procura de uma verificação,
na caridade, no serviço ao próximo.
Isto, que é um compromisso a todo cristão,
torna-se critério de autenticidade e juízo de verdade,
mormente para aqueles que na comunidade
exercem com zelo pastoral
um serviço de autoridade em vista da comunhão.
_____________________________

Do “Missal Cotidiano – Missal da Assembleia Cristã”
Ed. Paulus, p. 417


terça-feira, 28 de abril de 2015

"Sê tu sacrifício e sacerdote de Deus"


Ó homem, sê tu sacrifício e sacerdote de Deus;
não percas aquilo que te foi dado pelo poder do Senhor.
Reveste-te com a túnica da santidade,
cinge-te com o cíngulo da castidade;
seja Cristo o véu de proteção da tua cabeça;
que a cruz permaneça em tua fronte como defesa.
Grava em teu peito o sinal da divina ciência;
eleva continuamente a tua oração como perfume de incenso;
empunha a espada do Espírito;
faze de teu coração um altar.
E assim, com toda confiança,
oferece teu corpo como vítima a Deus.
_________________________

Dos Sermões de São Pedro Crisólogo,
bispo no século V


"Esta cruz não me feriu a mim, mas feriu a morte"


Talvez vos perturbe a enormidade de meus sofrimentos
causados por vós.
Não tenhais medo.
Esta cruz não me feriu a mim, mas feriu a morte.
Estes cravos não me provocam dor,
mas cravam mais profundamente em mim o amor por vós.
Estas chagas não me fazem soltar gemidos,
mas vos introduzem ainda mais intimamente em meu coração.
O meu corpo, ao ser estirado na cruz,
não aumenta o meu sofrimento,
mas dilata os espaços do coração para vos acolher.
Meu sangue não é uma perda para mim,
mas é o preço do vosso resgate.
______________________

Dos Sermões de São Pedro Crisólogo,
bispo no século V


sexta-feira, 24 de abril de 2015

Tornar-se num só pão, num só corpo!


Este pão que vedes sobre o altar, consagrado pela palavra de Deus, é o corpo de Cristo. Este cálice consagrado pela palavra de Deus, ou melhor, o que ele contém, é o sangue de Cristo. Nestes elementos, o Senhor quis oferecer à nossa veneração, ao nosso amor, o seu corpo e o seu sangue, que derramou pela remissão dos nossos pecados. Se os recebestes com boas disposições, tornastes-vos naquilo que recebestes. Diz o Apóstolo: «Todos nós somos um só pão, um só corpo» (Cor 10,17).

Este pão recorda-vos que deveis amar a unidade. Pois este pão foi porventura feito de um só grão? Não existia nele, no princípio, uma quantidade de grãos de trigo? Antes de tomar a forma de pão, os grãos estavam separados; foi a água que os uniu, depois de serem moídos. Se o trigo não for moído e embebido em água, não se lhe pode dar a forma de pão. Do mesmo modo, foi-vos necessário passar pela humilhação dos jejuns e pelo exorcismo dos escrutínios; depois, fostes lavados pela água do batismo, que vos penetrou a fim de vos fazer tomar a forma de pão. Como aparece aqui representado o fogo? Pelo santo crisma, porque o óleo que alimenta o nosso fogo é o sacramento do Espírito Santo. […] No dia de Pentecostes, o Espírito Santo revelou-Se sob a forma de línguas de fogo. […] Portanto, o Espírito Santo aparece como o fogo depois da água; e vós sois transformados neste pão que é o corpo de Cristo. Este sacramento é, portanto, um símbolo da unidade.

______________________________________________________

Santo Agostinho (354-430), bispo de Hipona e doutor da Igreja
Sermão 227 (Às crianças, sobre os sacramentos)

sexta-feira, 10 de abril de 2015

"É o Senhor"!


Todas as criaturas estão vivas na mão de Deus; os sentidos só se apercebem da ação da criatura, mas a fé crê na ação divina em todas as coisas. Ela vê que Jesus Cristo vive em tudo e opera em toda a extensão dos séculos, que o mais pequeno momento e o mais pequeno átomo encerram uma porção desta vida escondida e desta ação misteriosa. A ação das criaturas é um véu que encobre os mistérios profundos da ação divina.

Após a sua ressurreição, Jesus Cristo surpreendia os discípulos com as suas aparições, apresentando-Se a eles em figuras que O disfarçavam; mal Se revelava, desaparecia. Este mesmo Jesus, sempre vivo e sempre operante, continua a surpreender as almas cuja fé não é suficientemente pura e penetrante. Não há momento algum em que Deus Se não apresente, seja sob a forma de uma dor, de uma obrigação ou de um dever. Tudo quanto se faz em nós, em nosso redor e através de nós encerra e encobre a Sua ação divina, o que faz com que sejamos constantemente surpreendidos e não conheçamos as Suas operações senão quando elas deixaram de subsistir.

Se perfurássemos o véu e estivéssemos vigilantes e atentos, Deus se revelaria a nós sem cessar e usufruiríamos da Sua ação em tudo aquilo que nos acontece. Perante cada coisa, diríamos: “É o Senhor!” E detectaríamos em todas as circunstâncias que recebemos um dom de Deus, que as criaturas são instrumentos frágeis, que nada nos falta, e que o permanente cuidado de Deus O leva a conceder-nos aquilo que nos convém.
__________________________

Jean-Pierre de Caussade (1675-1751), jesuíta
“Abandono na Providência divina”



quarta-feira, 8 de abril de 2015

Jesus de Nazaré, Filho de Deus


Não haverá nunca evangelização verdadeira
se o Nome,
a Doutrina,
a Vida,
as Promessas,
o Reino,
o Mistério
de Jesus de Nazaré, Filho de Deus,
não forem anunciados”
____________________

Paulo VI, Evangelii nuntiandi, 22

Confiemo-nos a Maria


Maria, Mãe da esperança,
caminhai conosco!
Ensinai-nos a anunciar o Deus vivo;
ajudai-nos a dar testemunho de Jesus,
o único Salvador;
tornai-nos serviçais com o próximo,
acolhedores com os necessitados,
obreiros de justiça,
construtores apaixonados
dum mundo mais justo;
intercedei por nós que agimos na história
certos de que o desígnio do Pai se há de realizar.
Amém.
_________________________

João Paulo II, Ecclesia in Europa, Conclusão


sábado, 4 de abril de 2015

2015 - Páscoa da Ressurreição do Senhor Jesus


Por sua morte, a morte viu o fim,
do sangue derramado a vida renasceu.
Seu pé ferido nova estrada abriu
e neste homem, o homem, enfim se descobriu.

Meu coração me diz:
o amor me amou e se entregou por mim!
JESUS RESSUSCITOU!
Passou a escuridão, o sol nasceu!
A vida triunfou!
JESUS RESSUSCITOU!

"Esforçai-vos por alcançar as coisas do alto"!


Se ressuscitastes com Cristo,
esforçai-vos por alcançar as coisas do alto!
__________________________

Da Carta de São Paulo aos Colossenses (Cl 3,1)

Nossos corações pertencem ao varão de Gólgota (Friedrich von Bodelschwingh)


Nossos corações pertencem ao varão de Gólgota
que, por ter sofrido a morte, vida e salvação nos dá,
que o mistério do juízo ao seu povo revelou,
que em angústias e tormentos vida e paz nos conquistou.

Em silêncio nos curvamos ante a tua cruz, Senhor,
e humildes adoramos o poder de teu amor.
Adoramos o milagre: eis que o Filho se humilhou;
obediente até a morte nosso fardo carregou.

Haja noites tenebrosas: Luz provém de Gólgota,
luz que rompe pelas trevas, que o inferno vencerá.
Cristo, o Salvador, expulsa de seu Reino angústia e dor.
Emudece a própria morte: prevalece o seu amor.

Silenciam os poderes ante a cruz de Gólgota.
O teu povo agraciado canta “amém” e “aleluia”.
Graças pelas tuas dores, graças pelo teu poder!
Tu nos deste vida nova: Adoramos teu poder!